Boliche é destaque no Prêmio Brasil Olímpico


Aconteceu no final da noite desta terça (10), na Cidade das Artes (Rio de Janeiro), a cerimônia do Prêmio Brasil Olímpico. Bia Ferreira (boxe) e Arthur Nory (ginástica artística) levaram o prêmio de melhores atletas de 2019.

As escolhas de Beatriz e de Nory se justificam pelo ótimo ano dos dois. A boxeadora foi campeã mundial, em outubro na China, e pan-americana, em julho no Peru. Já o ginasta se destacou ao conquistar o lugar mais alto no pódio no mundial realizado em outubro em Sttutgart (Alemanha), na barra fixa.

A edição do Prêmio Brasil Olímpico deste ano homenageou os medalhistas do Pan em Lima 2019. Marcelo Suartz, que ganhou a prata pelo boliche (na foto com Guy Igliori, presidente da CBBOL) esteve presente. O atleta acumula três medalhas nos Jogos – ele conquistou  o único ouro do boliche no Pan  em Toronto (2015) e também tem um bronze, de Guadalajara (2011).

No total, o Time Brasil conquistou 169 medalhas, sendo 54 delas de ouro, um recorde na história do país nos Jogos. Com estes números, o Brasil terminou em segundo lugar no quadro de medalhas, após 56 anos, atrás apenas dos Estados Unidos, com 293 pódios.

Homenagem a Oscar Schmidt
Outra homenagem marcante da noite ficou por conta da entrega do Troféu Adhemar Ferreira da Silva ao ex-jogador de basquete Oscar Schmidt. Com cinco participações olímpicas, e um título pan-americano, em Indianápolis (EUA), em 1987, o “mão santa” recebeu merecidamente o troféu destinado aos grandes nomes do esporte brasileiro.

*com informaçoes de istoe.com.br