Brasil trabalha para que boliche entre nos Jogos Sul-Americanos de 2022

O presidente da Confederação Brasileira de Boliche - CBBOL, Guy Igliori, representou o país em reunião com o presidente da Organização Desportiva Sul-Americana - ODESUR e do Comitê Olímpico Paraguaio - COP, no mês de dezembro.  A visita de Igliori, que também é o vice-presidente da Confederação Sul-Americana de Boliche e da Confederação Pan-Americana de Boliche, a Camilo Perez Lopez Moreira, contou com a presença do titular da Associação Paraguaia de Boliche, Jorge Thomas, e de outro membro da Confederação Sul-Americana de Boliche, William Rodriguez, presidente da Associação Uruguaia de Boliche. A pauta foi a inserção do esporte nos jogos Sul-Americanos Assunção 2022. 

“O boliche não foi incluído nos próximos Jogos Sul-Americanos, no Paraguai, apesar de a modalidade integrar o programa dos jogos desde 1986”, explica Igliori. A questão é que o país não tem boliche automático oficial e eles teriam de fazer um investimento alto na construção de um espaço só para os jogos, com condições de sediar um torneio.

Na foto, da esquerda para a direita: Jorge Thomas, presidente da Federação Paraguaia de Boliche; Camilo Perez Lopez Moreira, presidente do Comitê Olímpico Paraguaio e da Organização Desportiva Sul-Americana; Guy Igliori, presidente da Confederação Brasileira de Boliche e Vice-Presidente das Confederações Sul-Americana e Pan-Americana de Boliche; e William Rodrigues, presidente da Federação Uruguaia de Boliche.

Na foto, da esquerda para a direita: Jorge Thomas, presidente da Federação Paraguaia de Boliche; Camilo Perez Lopez Moreira, presidente do Comitê Olímpico Paraguaio e da Organização Desportiva Sul-Americana; Guy Igliori, presidente da Confederação Brasileira de Boliche e Vice-Presidente das Confederações Sul-Americana e Pan-Americana de Boliche; e William Rodrigues, presidente da Federação Uruguaia de Boliche.

“Pretendemos ajudar na solução desse problema. Eles até têm as instalações físicas – com galpão montado, luz, ar condicionado etc. – , mas não têm as pistas”, comenta o presidente da CBBOL. A Confederação Sul-Americana tem até o final de fevereiro de 2019 para apresentar uma proposta que permita manter o esporte nos Jogos: “Podemos sugerir uma sub-sede em outro país, por exemplo, para que o boliche fique no programa dos jogos sul-americanos”, explica Guy Igliori.